FRENTES Arquitetura
logo FRENTES
 
   
       
 

Bering Strait
CONCURSO INTERNACIONAL DE IDÉIAS PARA O ESTREITO DE BERING, 2009
International Ideas Competition for the Bering Strait Project: Interconnection & Communication with the Island of Today and Tomorrow

English version below

BRIDGING THE FUTURE

Telúrico, um homem pisa na terra, demarca o seu território, elege um lugar e diz: aqui fundaremos uma cidade. Se ele voasse, não as demarcaria mais e não seria dono delas. Não haveria muros, barreiras nem qualquer fronteira.

Imaginando um mundo onde o solo não fosse mais aviltado e sim preservado, em que pudéssemos ocupar outros planos com plena desenvoltura e agilidade, em que fôssemos menos apegados ao chão e mais independentes em relação à força da gravidade, idealizamos uma ponte irrestrita para o Homem do futuro, desenvolvido e livre.

O século XXI inicia-se com uma vasta rede de comunicação mundial através da Internet. Enquanto no campo virtual o relacionamento intercontinental é vasto e ilimitado, em termos físicos há uma deficiência na ligação entre os diversos países do globo. Propomos uma nova rede de comunicação global que respeite as condições econômicas, sociais e culturais de cada pedaço da Terra com o mínimo impacto ambiental. Acrescentamos uma nova camada de ligação entre diversos pontos do planeta na Troposfera, um novo grid composto por materiais altamente tecnológicos, ligando os países através de diversos meios de transporte e velocidades, além de infra-estruturas variadas e a possibilidade de criação de diversos programas. Agora é a hora de explorarmos acima do solo, deixando-o livre para o desenvolvimento das vegetações nativas (que tanto contribuem para o equilíbrio bioclimático), para o cultivo de alimentos e para preservação dos rios e oceanos.

Nossa proposta liga a América à Eurásia, passando pelas ilhas Diomede, mas poderia se estender por todos os continentes. Trata-se de uma extraordinária infra-estrutura aérea elevada 650 metros do nível do mar primordialmente construída com estrutura de fibra de carbono para que tivéssemos poucos apoios durante o percurso de 85 km entre Cape Prince of Wales, nos EUA, e Cape Dezhnev , na Rússia. Seu envelope é constituído de uma camada dupla de vidro com Aerogel entre elas, proporcionando um alto grau de isolamento térmico em relação às extremas condições climáticas do Estreito de Bering. Imensas clarabóias na cobertura agem como coletores de luz e capturam os raios solares do sul e do leste. Turbinas de vento e painéis solares fotovoltaicos produzem eletricidade, reduzindo a dependência da rede de energia.

Situada entre as ilhas e exatamente no eixo da national border line and the international date line, encontra-se a Praça da Paz. Em forma de círculo, com 1000 metros de diâmetro, elevada 500 metros do mar, ela não tem direita nem esquerda, esquina ou ponta, nenhuma aresta. Está entre o hoje e o amanhã, atemporal, plena no infinito.

Sob a Praça da Paz temos o Peace Memorial: uma esfera de aço e vidro com 150 metros de diâmetro em constante e lento movimento ao redor da Praça. Dentro dela, passarelas em espiral conduzem os visitantes até o seu pólo inferior, representando a total re-conexão dos continentes, deste o Pólo Norte, onde estão geograficamente, até o Pólo Sul, aonde simbolicamente chegam ao término do circuito. Para subir de volta à Praça, podem optar pelas passarelas ou por elevadores de altíssima capacidade.

A ligação entre as duas ilhas é realizada através de uma ponte altamente isolada e bem condicionada situada abaixo da Praça da Paz e no nível dos topos das Diomedes, que deixaremos vazios e com sua natureza preservada.

O restante do programa, composto por centros de pesquisa, infra-estrutura para aqueles que trabalham na área, habitações, hospitais, escolas, hotéis, centros comerciais, áreas de lazer, estacionamentos de veículos, estações de trem, aeroporto e helipontos, é abrigado na infra-estrutura aérea de ligação entre os continentes.

Esse conjunto, com características plásticas e visuais sem precedentes, será um marco para uma transformação mundial, dando novos rumos à tecnologia e à ciência, proporcionando um caminho para a paz e um novo relacionamento entre os povos.


BRIDGING THE FUTURE

Telluric, the man walks on the land, demarcating territory, picking a place and saying: here is where we shall establish a town. Were he able to fly, he would not have marked the lands, and he would not own them. There would be no walls, nor barriers, nor any kind of borders.

Imagining a world where the soil was no longer spoilt, but preserved, where we could occupy other planes with complete grace and agility, where we would no longer be attached to the ground, but more independent gravity-wise we idealized an unrestricted bridge towards the Man of the future, developed and free.

Century XXI starts with a wide world communication network via the Internet. Whereas in the virtual realm intercontinental relationships are vast and unlimited, in physical terms the shortcomings of linking countries around the globe are many. We propose a new global communication network that is respectful of the economic, social and cultural conditions of each little corner of the Earth, bearing the least environmental impact possible. We add a new layer connecting the several points of the planet in the Troposphere, a new grid made up of highly technological materials, connecting the countries via the different modes of transportation in different speeds, in addition to varied infrastructures and the possibility to create different programs. Now is the time to explore that which is above the soil, leaving it free for the development of native vegetation (that contribute so much to the climatic balance), to cultivating foodstuffs and preserving rivers and oceans.

Our proposal is to link America to Eurasia, passing by the Diomede Islands; but it could be extended to all continents. It is about an extraordinary aerial infrastructure, 650 meters high above the sea, primarily built with carbon fiber framework so that we there are few supporting points along the 85 km path linking Cape Prince of Wales of the United States and Cape Dezhnev of Russia. The envelope is constructed of a double wall glazed façade with Aerogel situated between the glazing layers, providing a high degree of thermal insulations vis-à-vis the extreme climatic conditions of the Bering Strait. Huge skylights at the top work as light collectors capturing the sunlight from the south and the east. Wind turbines and solar photo voltaic cells to produce electricity, in order to reduce the bridge’s dependency on the grid.

Located between the islands and exactly on the axis of the National Border Line and the International Date Line, is the Peace Park. In a circle format, 1.000 meters in diameter, 500 meters high above the sea, it has no right nor left, no borders and no tips, no sharp edges. Located between today and tomorrow, timeless, whole in the infinite.

Under the Peace Park we have the Peace Memorial, a steel and glass sphere, 150 meters in diameter, in constant slow movement around the Park. Inside it, spiral footbridge lead visitors to the lower pole, representing the total re-connection of continents, from the North Pole, where they are geographically located, to the South Pole, where they would symbolically reach at the end of the circuit. Going back to the Peace Park, people would be able to choose between using the spiral footbridges or large elevators, of very high capacity.

The connection between the two islands is made via a highly isolated and well-conditioned bridge, located under the Peace Park and at the level of the Diomedes tops, which are to be left empty, with their nature preserved.

The rest of the program consists of a research facility and infrastructure for those who work in the area: housing, hospital, education facilities, other supporting facilities, hotels, commercial/retail and various leisure spaces in addition to parking lots, train stations, airports and helipads is sheltered by the aerial infrastructure connecting the two continents.

This set, with unprecedented plastic and visual characteristics, will be a landmark for world transformation, providing new directions to technology and science, delivering a new path to peace and a new relationship among the peoples.

Ficha técnica

Arquitetura: José Alves + Juliana Corradini

Consultor de estrutura: Yopanan Rebello
Traduções: Patrícia Fischer