FRENTES Arquitetura
logo FRENTES
 
   
       
 

Teatro de Londrina
CONCURSO PÚBLICO NACIONAL DE ANTEPROJETO DE ARQUITETURA PARA O TEATRO MUNICIPAL DA CIDADE DE LONDRINA NO PARANÁ
2007

AS PEDRAS QUE CANTAM

Através de um dinâmico prisma de concreto de perímetro irregular e de aspecto exterior facetado, a proposta pretende criar uma imagem que sirva como um símbolo da cidade, um marco arquitetônico, potencializando o seu desenvolvimento e qualificando o espaço urbano. Um espaço público que convide e acolha a população e abrigue as mais variadas formas artísticas, que aberto para a cidade, um prolongamento da rua.

Duas pedras pousadas no solo, as Pedras que Cantam. Assim podemos simbolizar os dois Teatros, um para aproximadamente 1.000 lugares e outro para aproximadamente 400 lugares. Implantados de costas um para o outro, o foyer surge do vazio criado pela inclinação das platéias. Nas extremidades do edifício, com sua estrutura saindo em balanço das caixas cênicas, estão as salas de ensaio e didáticas voltadas para a face leste e as salas administrativas e outra de ensaio para a face noroeste, protegidas da irradiação solar através de quebra-sóis. Compondo o conjunto, a Black Box é a terceira pedra que canta, semi-encravada no solo e tendo parte do seu volume aflorado no lado interno no terreno. Um quarto espaço teatral surge naturalmente na cobertura do volume principal, onde cidade e evento se fundem no horizonte.

O espetáculo se inicia antes de se adentrar no edifício. A existência do Teatro Municipal é percebida a distância pela sua presença marcante, pela movimentação das pessoas nas coberturas, nas rampas externas, no foyer. Todas as áreas coletivas são voltadas para a cidade, da rua avista-se as salas didáticas, salas de ensaios e biblioteca, instigando os transeuntes a participar delas. Aqui a arquitetura promove um encontro entre público e arte, não somente na forma expectador/espetáculo, mas também com a possibilidade de descoberta da arte dentro de cada um.

Ficha técnica

Arquitetura: José Alves + Juliana Corradini

Orçamento: Nova Engenharia
Estrutura: Jorge Zaven (Kurkdjian & Fruchtengarten)
Conforto Ambiental: Milton Granado (Daltrini Granado)
Climatização: Eizo Kozai (Thermoplan)
Maquete eletrônica: Pedro Aleixo de Carvalho e Fausto Pereira de Oliveira